Sozinho com seus pensamentos

Sozinho com seus pensamentos

Em julho de 2014, foi divulgado pela imprensa o resultado de uma pesquisa que perguntava se os entrevistados preferiam ficar sozinhos, sem nada para fazer, ou levar pequenos choques.

A pergunta pode parecer absurda, mas, de acordo com uma pesquisa publicada neste mesmo mês na revista científica “Science”, muita gente prefere levar choques a enfrentar alguns minutos a sós com os próprios pensamentos.

O resultado do estudo, que envolveu 220 voluntários em 11 testes, surpreendeu até seu coordenador, o psicólogo Timothy Wilson, da Universidade da Virgínia (EUA). “Antes do estudo, pensei que éramos capazes de usar nossos cérebros para gerar pensamentos agradáveis, recuperar lembranças felizes. Mas não foi assim”, disse.
Quando desafiadas a ficar de 06 a 15 minutos sem companhia (nem mesmo do celular), 57% das pessoas afirmaram ter dificuldades para se concentrar, 89% disseram que a mente vagou e 49% não gostaram da experiência. Outro teste concluiu que 67% dos homens e 25% das mulheres preferiram levar choques a ficar sós.
De acordo com a psicóloga Lívia Godinho Nery Gomes, professora da Universidade Federal de Sergipe, a onipresença da tecnologia soma-se a outro fenômeno, que também ajuda a deixar os momentos reflexivos mais raros: a necessidade de estar sempre disponível. “Há um apelo muito grande para estar em rede, compartilhar. Quem está de fora sente que está perdendo alguma coisa”, relata.
Para o psicólogo Roberto Novaes de Sá, professor da UFF (Universidade Federal Fluminense), a tecnologia pode até criar mais obstáculos para quem quer ficar só com os próprios pensamentos, mas o fato é que isso nunca foi fácil para a maioria das pessoas. “Nossa noção de realidade, de estabilidade e segurança é construída socialmente, através das relações com os outros e das ocupações. Quando não estamos inseridos em alguma atividade há um sentimento de não realização, fragilidade e angústia”, afirma. Segundo a pesquisa, esse sentimento parece afetar mais os homens do que as mulheres, o que não surpreendeu os pesquisadores.
Não gostar do rumo dos pensamentos é uma das hipóteses levantadas pelos autores do estudo para explicar estes resultados. “É como se a mente nos dominasse e fôssemos absorvidos pelas ideias”, diz a neurocientista Elisa Kozasa, pesquisadora do Instituto do Cérebro do Hospital Albert Einstein. Para ela, a reflexão só é benéfica para a saúde mental se tiver um método e um objetivo, como na meditação.
Já para a psicóloga Luci Helena Baraldo Mansur, membro da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo, tentar ficar só sem se sentir sozinho é fundamental. “O tempo do silêncio e da quietude é um tempo que conduz à criatividade e não a esse vazio tão temido. É quando podemos ouvir nossa voz interior”, afirma.
É bastante comum recebermos contatos no CVV de pessoas que não se sentem bem ficando sozinhas, querendo conversar conosco, ter com quem dividir o que pensam, sentem e acontecimentos de suas vidas.

Muitos já não conseguem conviver com a possibilidade de se sentirem sós e conviverem apenas com os seus pensamentos, que muitas vezes atormentam suas existências, e por isso buscam atenção de alguém para conseguirem seguir adiante e dividir o que lhes incomoda.


Eixo Comunicação CVV

Busca


Posts Populares


Campanhas


Categorias


...